Dicas

Marca e Branding: você sabe qual é diferença?

Marca e Branding
Escrito por SM8 Marcas

(Marca e Branding: você sabe qual é diferença?) Com a constante necessidade de diferenciação e a concorrência acirrada entre as empresas, o branding tornou-se uma peça-chave para conquistar uma marca forte no mercado. Em tempos em que a conquista por fidelidade é cada vez mais difícil, gerir bem uma marca é o mínimo para se manter com destaque. 

No entanto, para ter efetividade na estratégia, é preciso saber bem a diferença entre branding e marca — apesar de trabalharem sobre a mesma base, os conceitos são distintos.

Foi pensando justamente em fazer essa diferenciação e ajudar você a conhecer os pormenores de cada conceito que fizemos este artigo. Além de entender o significado de cada palavra, você saberá como branding e marca se conectam. Continue a leitura para saber mais!

O que é marca?

O senso comum proclama marca como um símbolo, a identidade visual ou um logotipo, para ser mais específico. Apesar de não estar incorreto, esse conceito restringe um pouco a amplitude da marca. 

Ela é uma forma de distinguir um produto do outro, mas também pode distinguir uma pessoa ou um ambiente, entre outros. Ou seja, a marca envolve elementos figurativos, cores, símbolos e demais aspectos visuais que transmitirão uma mensagem ao público.

Existem diferentes tipos de marca: produto, serviço, coletiva e certificação. Todas têm em comum a identificação. As formas de apresentação também são distintas: nominativa, figurativa, mista e tridimensional, o que nos mostra como o símbolo é importante. 

Por isso, quando criada, ela precisa ser representativa e apresentar elementos marcantes. Uma marca forte faz com que os consumidores percebam um valor muito maior nas soluções que ela tem a oferecer. 

Assim, os clientes terão facilidade de se lembrar dela quando precisarem adquirir algum produto ou serviço que ela oferece no seu dia a dia. Consequentemente, poderão se tornar defensores dela e, então, divulgá-la para o seu grupo.

O que é branding?

O branding, por sua vez, tem uma conceituação mais ampla, ou seja, trata-se da gestão de marcas. Sendo assim, ele pode ser definido como uma atividade estratégica, envolvendo um planejamento do posicionamento da empresa no mercado. 

Missão, visão, valores, posicionamento de mercado, propósito e personalidade são apenas algumas das funções desempenhadas pelo branding. O trabalho envolve, principalmente, a construção de uma percepção positiva do consumidor para com a empresa. 

Por esse motivo, é fundamental que as empresas trabalhem essa percepção de maneira positiva e envolvam os consumidores por meio de experiências marcantes.

Resumidamente, o branding estudará o público-alvo, a inserção da empresa no mercado, a melhor maneira de se comunicar com os consumidores, entre outros. O resultado esperado é gerar reputação e reconhecimento para que, futuramente, seja possível diminuir inclusive os esforços para se manter na mente do comprador. 

No entanto, vale ressaltar que esse é um trabalho demorado. Por isso, é preciso ter dedicação para poder obter efetividade e um retorno positivo. Quando isso é conquistado, pode ter certeza: será fácil ter uma boa presença no mercado. 

Quais as diferenças entre branding e marca?

Como já vimos, a marca é um conjunto de características que ajudam a identificar determinado produto ou determinada empresa. Isso inclui características visíveis e também invisíveis, que fazem com que ela seja um elemento de diferenciação. Quanto mais clara e homogênea for essa identificação, mais defensores a marca conquistará. 

A marca é o resultado do branding — essa é a principal diferença entre os conceitos. O branding trabalha estrategicamente em cima de uma série de fatores para embasar a marca e atrair pessoas para a compra ou a aquisição de serviços. 

Quando uma empresa vai se lançar no mercado, é importante que, primeiro, ela trabalhe o branding. É preciso que ela pesquise o seu mercado, o seu ramo de atuação, conheça o seu público e também coloque no papel os seus objetivos como empresa: suas crenças, seus valores, seus objetivos futuros, a mensagem que deseja passar, sua imagem, entre outros. 

A partir disso, ela cria a marca. Por meio das cores, ela pode transmitir aspectos como sofisticação, tranquilidade, jovialidade, entre outros. A fonte e o símbolo também dizem ao público o que esperar. É uma construção multissensorial, ou seja, é preciso pensar nos 5 sentidos para criar uma ligação. 

Como as empresas trabalham o branding e a marca? 

Agora que você já sabe melhor o que é branding e marca, e também quais as diferenças entre elas, é hora de entender a importância deles para a empresa. Ao longo do artigo, você viu que ambos são fundamentais para cativar o público, mas também para se diferenciar da concorrência — algo fundamental no mundo globalizado em que vivemos. 

Pense nos produtos como commodities. Se eles não apresentam algo único para a realidade do consumidor, ele só se torna mais um. Isso faz com que as empresas que não trabalham o branding sejam engolidas por outras que fazem a lição de casa corretamente. Por isso, apresentaremos, a seguir, alguns exemplos que fazem a diferença. 

Empresas mundialmente conhecidas trabalham o branding em suas diferentes vertentes para poderem construir uma marca forte. Veja o exemplo da Coca-Cola. Ela possui cores e uma tipologia marcantes, que transmitem os seus valores. 

Para isso, ela trabalha o branding em formas diferentes. O desejo da marca é atender todos os tipos de público. Por isso, suas ações envolvem jovens com o lançamento de promoções ligadas ao mundo da música, ao mesmo tempo em que ela se mostra como uma bebida de quem compartilha alegrias em família. Isso fica claro pelo slogan “compartilhe felicidade”.

Não é à toa que a marca de refrigerantes é uma das maiores do mundo, tem alto valor de mercado e é reconhecida por seus pares como referência em marketing — intimamente ligado ao branding. 

A Dove também tem explorado o branding para reposicionar a sua marca no mercado. Isso porque o desejo da empresa é atender a mulheres reais e quebrar os estereótipos das marcas de beleza que visam corpos perfeitos.

Essa foi uma maneira de ela se diferenciar em um mercado tão amplo como o da beleza, de uma maneira poderosa, atingindo reconhecimento e visibilidade.

O fato é que, para ter uma marca forte, é preciso, antes, fazer a sua gestão por meio do branding. Ações como as que apresentamos são alguns dos exemplos que podem ser utilizados para definir o posicionamento da marca no mercado.

Gostou do nosso artigo sobre a diferença entre branding e marca? Quer saber mais sobre esse e outros assuntos? Assine a nossa newsletter e receba conteúdo exclusivo diretamente na sua caixa de e-mail!

Sobre o autor

SM8 Marcas

Deixar comentário.

Share This